25/06/2013

Aquecendo o Coração

Dia 21 de junho começou o inverno, aqui em São Paulo ele chegou com chuva. Por isso, em meio aos estudos, tentando aquecer minhas mãos, revesando a direita e a esquerda embaixo das pernas, lembrei de um livro chamado "Histórias Para Aquecer o Coração".



Trouxe uma das 50 histórias desse livro para que você, assim como eu, se sentir mais quentinha. Uma história sobre sonho e determinação. Bom inverno para todas!

Estamos aqui para aprender

"O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos."
(Eleanor Roosevelt)

- Dezesseis - eu disse.

Esqueci a pergunta de Matemática que minha professora da segunda série, Joyce Cooper, me fez naquele dia, mas nunca me esquecerei da resposta. Assim que o número saiu da minha boca, a turma inteira começou a rir. Eu me senti como a pessoa mais burra do mundo.

A Sra. Cooper censurou meus colegas com um olhar severo. E disse:

- Estamos todos aqui para aprender.

Num outro dia, a Sra. Cooper nos pediu para escrever uma redação a respeito do que esperávamos fazer de nossas vidas. Escrevi: "Quero ser professora como a Sra.
Cooper."

Ela escreveu na minha redação: "Você daria uma professora excepcional, pois é determinada e tenta com afinco." Eu iria carregar estas palavras em meu coração durante os vinte e sete anos seguintes.

Depois de me formar no segundo grau em 1976, casei-me com um homem maravilhoso, Ben, um mecânico. Logo, Latonya nasceu.

Precisávamos de cada centavo apenas para sobreviver. Faculdade e magistério estavam fora de questão. Consegui, no entanto, arrumar um emprego em uma escola - como ajudante de servente. Limpava dezessete salas de aula na Escola Primária Larrymore todos os dias, incluindo a da Sra. Cooper. Ela havia sido transferida para Larrymore depois que Smallwood fora fechada.

Eu dizia à Sra. Cooper que queria ensinar e ela me repetia as palavras que escrevera na minha redação anos antes. Mas as contas sempre pareciam estar no meio do
caminho.

Até que um dia, em 1986, pensei em meu sonho, em como eu queria ajudar as crianças. Mas, para fazer isso, precisava chegar de manhã como professora - não de tarde, para limpar. Conversei a respeito disso com Ben e Latonya e ficou decidido: eu me inscreveria na Universidade Old Dominion. Durante sete anos assisti às aulas de
manhã, antes do trabalho. Quando chegava em casa do trabalho, eu estudava. Nos dias em que não tinha aula, trabalhava como professora-assistente para a Sra. Cooper.

Às vezes ficava pensando se teria forças para conseguir. Quando recebi minha primeira nota baixa, falei em desistir. Minha irmã mais nova, Helen, recusou-se a ouvir.

- Você quer ser professora - ela disse. - Se parar, nunca alcançará o seu sonho.

Helen sabia bem o que significava não desistir, pois ela lutava contra a diabetes.
Quando uma das duas desanimava, ela dizia:

- Você vai conseguir. Nós vamos conseguir!
Em 1987, Helen, com apenas vinte e quatro anos, morreu de falência renal relacionada à diabetes. Estava nas minhas mãos conseguir por nós duas.

No dia 8 de maio de 1993 meu sonho se realizou: a formatura. Receber meu diploma universitário e a licença estadual para ensinar me qualificavam oficialmente para
ser professora.

Fiz entrevistas em três escolas. Na Escola Primária Coleman Place, a diretora Jeanne Tomlinson disse:

- Seu rosto me parece familiar.

Ela trabalhara em Larrymore mais de dez anos antes. Eu limpava sua sala e ela se lembrou de mim.

Ainda assim eu não tinha propostas concretas. O telefonema veio quando eu acabara de assinar meu décimo oitavo contrato como ajudante de servente. Havia uma vaga
para dar aulas para a quinta série em Coleman Place.

Pouco tempo depois que comecei aconteceu algo que trouxe o passado de volta. Eu escrevi uma sentença cheia de erros gramaticais no quadro-negro e pedi aos alunos
que viessem até o quadro e a corrigissem.

Uma garota corrigiu até a metade, ficou confusa e parou. Enquanto as outras crianças riam, as lágrimas escorriam nas bochechas dela. Dei-lhe um abraço e disse-lhe para ir tomar um pouco d'água.

Então, lembrando-me da Sra. Cooper, censurei o resto da turma com um olhar firme.

- Estamos todos aqui para aprender - eu disse.


***


4 comentários:
  1. Adorei, mas no momento, estou precisando aquecer o corpo inteiro!
    kkkk #Frio
    Bjs - Suzana Rosa - www.rosachiclets.com.br
    Se tiver um tempinho, veja o blog do meu marido www.artigodeopiniao.com
    Siga-me no Instagram e Dujour: @rosachiclets

    ResponderExcluir
  2. Li esse livro faz um tempinho e adorei *u* As histórias me ajudaram muito quando eu precisei ouvir algumas coisinhas pra me motivar ^^
    Inverno... Minha época do ano preferida, livros combinam muito com ela *u*
    Adorei ><
    Kissus

    Ladie Complicated

    ResponderExcluir
  3. Inverno + livro = tudo haver!!!
    Amei o post!!
    Mil bjos
    *´¨)
    ¸.•´¸.•*´¨) ¸.•*¨)
    (¸.•´ (¸.•` **Cláudia Senamo
    Email: claudiasenamo@hotmail.com
    novaborralheira.blogspot.com.br
    www.facebook.com/NovaBorralheira

    ResponderExcluir
  4. Awn... Que história linda! :3 Muito emocionante! <3
    Amo o inverno, apesar de aqui não fazer muito frio... u_u'
    Bjo, Sel ;*

    Jovens Gordinhas

    ResponderExcluir

Me conte suas besteiras também!!

Ou conte coisas sérias... ou deixe sua receita de bolo de chocolate ou faça uma piada.. aqui o espaço é seu!! Use com amor!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...